Cancro do esófago: a que sinais estar atento

O cancro do esófago é a 7ª causa mais comum de cancro em todo o mundo com cerca de

572,034 novos casos no ano de 2018 e a sua mortalidade (ainda que em perfil aparentemente descendente devido aos novos meios de diagnóstico e novas terapêuticas) é elevada com cerca de 508,585 mortes no ano de 2018 (segundo dados da Globocan). As variações de incidência de cancro do esófago entre paises é elevada e reflete também a diferente prevalência dos factores de risco.

Ainda assim, o cancro do esófago é, ainda, uma doença grave: continuam a ser estudadas as suas causas, bem como as possíveis formas de o prevenir.

Um tumor do esófago é maligno em cerca de 95% dos casos, e pode ter diferentes tipos histológicos (o tipo de células que compoem o cancro), sendo os dois subtipos mais frequentes o adenocarcinoma do esófago e o carcinoma espinhocelular do esófago. Ambos têm diferentes factores de risco.

Quem está mais em risco?

Está estudado que há factores de risco contribuem para o desenvolvimento de cancro do esófago:

A doença é mais comum em pessoas entre a 7ª e a 8ª décadas de vida. É pouc frequente em jovens e a sua incidência aumenta com a idade.

Os adenocarcinomas do esófago são 3-4 vezes mais frequentes nos homens do que nas mulheres. Os principais factores de risco são refluxo gastro-esofágico crónico e a obesidade.

No carcinoma espinhocelular do esófago não se evidenciam essas diferenças entre homens e mulheres e os principais factores de risco são o consumo de álcool e tabaco nos paises ocidentais, a ingestão de alimentos líquidos muito quentes (como na América do Sul) entre outros.

Nos paises asiáticos e de África sub-sariana, onde a incidência deste tipo de cancro é elevada, os principais factores de risco para o carcinoma espinhocelular do esófago ainda estão a ser estudados.

Se pensa que pode apresentar risco aumentado para ter cancro do esófago, deverá discutir essa preocupação com o médico; poderá saber como reduzir o risco e qual será o calendário ideal para fazer exames regulares.

Avalie de 1 a 5 a utilidade deste artigo